Meu perfil
BRASIL, Sudeste, ARUJA, Homem, de 46 a 55 anos, Portuguese, Spanish, Livros, Informática e Internet
MSN - pastorsolon@hotmail.com




Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 E Agora, Como Viveremos?
 Revista Impacto
 FARLEY SARMENTO
 Teologia de vanguarda
 

" target="_blank">UBE
 " target="_blank">Blogs amigos




A palavra do pastor
 


 

 

A Importância do Ensino Religioso

 

 

Luciano Franco Alonso &  Solon Diniz Cavalcanti

 

 

 

A educação no Brasil tem sofrido várias mudanças, entre elas está a inserção do ensino religioso nas escolas da rede pública de ensino. Diante deste fato aparece a pergunta: O ensino religioso deve ser feito no ambiente escolar?

A idéia proposta nesse escrito é que a rede pública de ensino deve se preocupar em oferecer o melhor do ensino das ciências como matemática, português, biologia, física etc. E deixar que a formação religiosa seja construída no ambiente familiar e religioso.

Esta opinião se deve principalmente por dois motivos:

1) O ensino religioso no ambito escolar rouba a função da família e do teatro sagrado da religião;

2) A proposta curricular para o ensino religioso fere e ultrapassa os seus limites, adentrando questões estudadas em outras disciplinas, tais como, a ética na filosofia e a interação social na sociologia.

O ensino religioso produz marcas relevantes no ouvinte não é, por exemplo, como a matemática que é um ensino objetivo. O ensino religioso adentra aspectos subjetivos da formação do caráter da criança, pois estimula a imaginação e exige respostas, comprometimentos que podem ser, em muitos casos, contrária à cultura religiosa familiar.

Enquanto o professor de biologia trabalha com experimentos científicos, transmitindo ao educando um resultado que independe da sua formação cultural e que nunca modificará o seu comportamento familiar e sociológico, o professor de religião imprime a sua própria experiência na alma do aluno. Em matéria religiosa, como ser imparcial? Quando se trata de ensino religioso, como deixar de lado a paixão?

A ética, que é uma proposta a ser trabalhada pelo ensino do saber das religiões, nunca foi um tratado religioso ou teológico e sim um tratado filosófico. Mesmo porque a religião por se tratar de uma relação transcedental é uma antinomia às relações entre os seres humanos.

Enquanto a ética, que é competência da filosofia, trabalha horizontalmente, cuidando da minha relação com o meu semelhante, a religião me coloca na poltrona de um vôo vertical que supera os limites da humanidade.

Ainda entendemos que a escola é o ambiente apropriado das ciências, da mesma forma que à família compete a formação moral, porém, é no lugar “sagrado” onde está a atmosfera propícia ao ensino religioso do individuo. A família contribui com a religião, ela funciona como o start, o despertamento espiritual, mas, é a instituição religiosa que  viabiliza a formação cultural e da experiência final.

Em um estado laico o poder público deveria restringir o ensino religioso escolar às instituições confessionais, onde os pais escolhem o que os filhos devem aprender, mas parece que o Estado resolveu anular a paternidade e, com o ensino religioso multiforme produzir uma cizânia no seio da célula mater da sociedade.

Este é o nosso entendimento.

 



Escrito por Pr Solon Diniz Cavalcanti às 12h31
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]  
 
online